Você está em Home >> Vacinas >> Calendário Vacinal 2011 / 2012

Siga:                         Já fez o seu cadastro? Entre aqui.

Calendário Vacinal 2011 / 2012

Calendário de vacinação das CRIANÇAS

Recomendações da Associação Brasileira de Imunizações (SBIM) - 2011 / 2012

 

Comentários


1. Vacinas combinadas – o uso de vacinas combinadas é consi- derado estratégico para o alcance de coberturas vacinais ideais, permite a inclusão de novos imunobiológicos e a melhor adesão da população e deve ser adotado sempre que possível.

VACINA SÊXTUPLA (“HEXA”) – com seis componentes – hepa- tite B, tríplice bacteriana acelular hemófilos do tipo b e poliomie- lite de vírus inativados.

VACINA QUÍNTUPLA (“PENTA”) – com cinco componentes – tríplice bacteriana acelular hemófilos do tipo b e poliomielite de vírus inativados.

VACINA QUÁDRUPLA BACTERIANA DE CÉLULAS INTEIRAS COM Hib – com quatro componentes – tríplice bacteriana de células inteiras e hemófilos do tipo b.

VACINA QUÁDRUPLA BACTERIANA ACELULAR COM Hib – com quatro componentes – tríplice bacteriana acelular e hemó- filos do tipo b.

VACINA QUÁDRUPLA BACTERIANA COM PÓLIO INATIVADA – com quatro componentes – tríplice bacteriana acelular e polio- mielite de vírus inativados.

VACINA QUÁDRUPLA VIRAL – com quatro componentes: sa- rampo, caxumba, rubéola e varicela.

2. O uso da vacina tríplice bacteriana acelular (DTPa) é preferível ao da vacina tríplice bacteriana de células inteiras (DTPw), pois a sua eficiência é semelhante à da DTPw e porque os eventos ad- versos associados com sua administração são menos frequentes e menos intensos do que os induzidos pela DTPw. Além disso, as apresentações combinadas à DTPa permitem o uso da vaci- na inativada contra poliomielite. Para crianças com mais de sete anos e em atraso com os reforços de DTPw ou DTPa, recomen- da-se o uso da vacina tríplice bacteriana acelular do tipo adulto (dTpa) ou tríplice bacteriana combinada à vacina inativada para a poliomielite (DTPa-IPV).

3. As vacinas contra infecções por rotavírus licenciadas para uso no Brasil devem ser indicadas o mais precocemente possível, a partir de seis semanas de idade. A vacina monovalente está disponível na rede pública, no esquema: primeira dose aos dois meses de vida e segunda dose aos quatro meses de vida, sendo que a primeira dose não poderá ser aplicada após 14 semanas de vida e a segun- da após 24 semanas de vida. A vacina pentavalente está disponí- vel apenas na rede privada, com esquema de três doses: a primeira dose aos dois meses de vida, a segunda dose aos quatro meses de vida e a terceira dose aos seis meses de vida, sendo que a primeira dose não poderá ser aplicada após 15 semanas de vida, o intervalo mínimo entre as doses deverá ser de 30 dias e a última dose não poderá ser aplicada após os oito meses de idade. As vacinas contra o rotavírus estão contraindicadas para imunodeprimidos.

4. Começar o esquema de vacinação com a vacina pneumocó- cica conjugada 10-valente ou 13-valente o mais precocemente possível (no segundo mês de vida). Quando a aplicação dessa vacina não tiver sido iniciada aos dois meses de vida, o esquema de sua administração varia conforme a idade em que a vacina- ção for iniciada: entre sete e 11 meses de idade: duas doses com intervalo de dois meses, e terceira dose aos 15 meses de idade; entre 12 e 23 meses de idade: duas doses com intervalo de dois meses; a partir do segundo ano de vida, dose única, exceto em imunodeprimidos, que devem receber duas doses com intervalo de dois meses entre elas. A vacina 10-valente não está licenciada para maiores de dois anos de idade. 

5. Crianças com esquema completo da vacina pneumocócica 7 ou 10 valente podem ampliar a proteção recebendo uma dose extra da vacina 13 valente com intervalo mínimo de dois meses após a última dose. 

6. A vacina meningocócica C conjugada pode ser aplicada a par- tir dos dois meses de vida. Recomenda-se iniciar a vacinação ainda no primeiro ano devido à maior incidência e letalidade da doença nessa faixa etária. É recomendada dose de reforço no segundo ano de vida e na adolescência. Dose adicional da vaci- na meningocócica C conjugada deve ser considerada cinco anos após a primovacinação, especialmente para crianças vacinadas no primeiro ano de vida. A vacina meningocócica conjugada qua- drivalente (sorogrupos A.C,W135 e Y) deve ser considerada para a imunização do adolescente (a partir dos 11 anos). 

7. A vacina contra a influenza (gripe) deve ser aplicada a partir dos seis meses de idade, respeitando-se a sazonalidade da doença. 

8. A vacina contra a febre amarela deve ser indicada para habitan- tes de áreas endêmicas e pessoas que vão viajar para essas regiões. 

9. Estima-se que uma só dose da vacina contra a varicela induza imunidade contra a infecção em 70% a 90% das crianças que a receberam, e em 95% a 98%, contra as formas graves da doen- ça. Contudo, não é incomum a ocorrência dessa virose em crian- ças que já receberam uma dose dessa vacina. Portanto, recomen- da-se a aplicação de duas doses da vacina contra varicela, com intervalo mínimo de três meses. 

10. A vacina Quádrupla Viral – constituída pela combinação da vacina tríplice viral com a vacina contra varicela é uma opção quando coincidir a indicação dessas duas vacinas para menores de 12 anos. Riscos aumentados para febre alta e ocorrência mais frequente de exantema após a primeira aplicação dessa vacina combinada devem ser considerados. 

11. Sempre que possível, a vacina contra HPV deve ser aplica- da preferencialmente na adolescência, antes de iniciada a vida sexual, entre 11 e 12 anos de idade. Duas vacinas estão dispo- níveis no Brasil: uma contendo os tipos 6, 11, 16, 18 de HPV com esquemas de intervalos de 0-2-6 meses, indicada para meninas, meninos e jovens de nove a 26 anos de idade; outra, contendo os tipos 16 e 18 de HPV com esquemas de intervalos de 0-1-6 me- ses, indicada para meninas e mulheres de dez a 25 anos de idade. 

12. A ANVISA licenciou a vacina quadrivalente contra o HPV (contendo os tipos 16, 18, 6 e 11) para a proteção de meninos e jovens entre nove e 26 anos de idade com esquema de doses

 

Fonte: Associação Brasileira de Imunizações - SBIM 

 

| Enviar para um amigo | Imprimir | Comentar

 

Comentários

jac

Vcs poderiam colocar um quadro em nós pudéssemos visualizar melhor as vacinas. Obrigada!

Faremos isto. Obrigado

Pediatria em foco

Atualidades | Comportamento | Doenças comuns | Higiene | MÍDIA | Nutrição | Puericultura | Saúde | Segurança | Vacinas | Curva do crescimento
DICAS | PERGUNTAS FREQUENTES | Cadastre-se

Pediatria em Foco © 2012. Todos os direitos reservados.

 

Clinica Infantil Reibscheid

Clínica Reibscheid | Links | Localização | Fale Conosco

Clínica Infantil Reibscheid © 2012. Todos os direitos reservados.

Telofone:  11 3801-2676

Horário de funcionamento / atendimento: Segunda a sexta, das 10h às 19h

 

Desenvolvido por: Floot Digital