Você está em Home >> Saúde >> Depressão infantil

Siga:                         Já fez o seu cadastro? Entre aqui.

Depressão infantil

O que é a depressão infantil ?

Depressão é o transtorno de humor que se caracteriza basicamente por tristeza e anedonia, associados a transtornos de sono, de alimentação e somáticos (como cefaléia, tonturas, taquicardia, sudorese, diminuição de libido etc.). Na criança, mais freqüente que a tristeza é a irritabilidade, mau humor e a anedonia, que é a falta de prazer com as atividades habituais, como brincar, sair com os amigos, jogar videogame, ver TV etc.

Segundo Von During, "As crianças deprimidas não podem rir. E uma criança que não ri nem pode brincar nem brigar; é uma criança enferma (...). As crianças deprimidas são tímidas, fogem da companhia dos demais, não jogam, não têm confiança em si mesmas, o que pode levá-las, inclusive ao suicídio (p. 31, POLAINO, 1988)".

É importante ressaltar que os conceitos psicopatológicos infantis ainda não são muito precisos e uníssonos, como são os dos adultos. Podemos citar como exemplo a ampla terminologia usada: transtorno, desordem, alteração, comportamento anormal, conduta desajustada, hiperatividade etc. Tais termos são encontrados, usualmente na literatura científica, como sinônimos.

 

Quais são os principais sinais e sintomas da depressão infantil ?

A Depressão infantil é caracterizada pela presença dos seguintes sinais e sintomas, os quais podem se apresentar de forma mascarada: baixo desempenho escolar, pouca capacidade para se divertir (anedonia), sonolência ou insônia, mudança no padrão alimentar, fadiga excessiva, queixas físicas, irritabilidade, sentimentos de culpa, sentimentos de desvalia, sentimentos depressivos, ideação e atos suicida, choro, afeto deprimido, facies depressivas, hiperatividade ou hipoatividade.

 

Quais são os principais fatores que podem desencadear a depressão infantil ?

Muitos fatores podem levar uma criança à depressão. Segundo os estudos de Nissen em 1970 e de outros autores posteriores a ele, as causas estão relacionadas a problemas familiares.
Os problemas conjugais, os problemas financeiros, a cobrança exagerada por parte dos pais e da sociedade em relação ao desenvolvimento da criança, a falta de contato da criança com os pais em função de suas responsabilidades profissionais e necessidades de sobrevivência, o que impede que haja um vínculo afetivo positivo, são fatores que contribuem para o aumento da possibilidade das crianças desenvolverem transtornos, sendo a depressão infantil um deles, e que afeta diretamente o desenvolvimento psico-social e acadêmico da criança.
Além disso, podemos destacar outros fatores que causam a DI: a morte de um dos pais, dos avós ou de um ente querido muito próximo, maus tratos dentro da família; filho indesejado, filho somente de um dos pais; alcoolismo, entre outros.

 

Qual é a prevalência da depressão infantil?

No campo da Psicopatologia Infantil existem muitas dificuldades para a realização de estudos epidemiológicos. Lembramos que a criança é um ser em evolução, com pautas de comportamento diversificado, o que dificulta muito estes estudos. Estima-se que 3% da população infantil seja afetada pela DI, afetando igualmente ambos os sexos.

 

Qual o critério mais utilizado para diagnosticar a depressão infantil ?

Entre os critérios existentes para diagnosticar a DI, o de Poznanski tem sido o mais utilizado e considerado o mais eficiente.

Esse critério leva em consideração:

- humor, conduta ou aparência depressiva;

- pelo menos quatro (probabilidade) ou cinco (segurança) dos seguintes sintomas: retraimento social, problemas de sono, queixas ou fadiga, hipoatividade, anedonia, baixa auto-estima, dupla patologia, ou seja, a depressão acompanhada de uma outra patologia como por exemplo enurese, fobia escolar, trocolitomania e outras, dificuldade no trabalho escolar, ideação mórbida ou ideação suicida;

- duração dos sinais e sintomas acima por no mínimo um mês.

 

Como os pais e professores podem ajudar no diagnóstico da depressão infantil?

Não desejamos que os pais levem a criança para um profissional quando a DI já está instalada. Se os pais observarem mais seus filhos em casa poderão notar que algo de errado está ocorrendo com eles e nesse momento buscar ajuda para solucionar os conflitos e a intervenção sem sombra de dúvida, será muito mais efetiva.

Por outro lado, conhecer as atividades da criança na escola antes da sintomatologia é muito importante. A escola vai exercer um papel importante no diagnóstico, pois quando se instala uma DI em uma criança, os primeiros sinais são o baixo rendimento escolar e a dificuldade em realizar as tarefas, devidos à falta de concentração.

 

Como é a avaliação psicológica da criança?

Deve-se lembrar que a criança nunca vai dizer que está deprimida. Vamos observar essa depressão de forma mais clara através dos desenhos e de testes. Portanto a avaliação psicológica é fundamental como forma complementar e de auxílio de diagnóstico.

É muito importante, tanto para o médico quanto para o psicólogo, procurar sempre conhecer a dinâmica familiar em toda a sua extensão no sentido de buscar a causa da DI na criança e a partir dela fazer uma intervenção direta. Em algumas situações os pais devem, também, ser orientados a uma terapia familiar.

 

Como é o tratamento para a depressão infantil?

A intervenção para a DI é ampla. O médico, o psicólogo, pais e professores estarão envolvidos nesse processo. Deve-se buscar tantas informações quantas forem necessárias, pois somadas, em muito ajudarão aos profissionais a realizar uma intervenção mais eficiente. Conhecer as amizades da criança, seus gostos e desejos, suas críticas, fantasias é obrigação de todos os que intervêm nessa criança.

Pedir a colaboração dos pais e professor é fundamental.

O tratamento da depressão deve estar baseado em dois pilares: o medicamentoso e a psicoterapia. Esta última é imprescindível, pois em muitas depressões leves a psicoterapia é suficiente para curá-la. Em depressões mais graves, devemos associar o tratamento medicamentoso com o psicoterápico.

 

Qual é a duração do tratamento?

Uma pergunta muito freqüente dos pais é quando vai terminar o tratamento. A intervenção psicofarmacológica, caso o médico a utilize, deverá permanecer entre quatro a seis meses em casos de quadros depressivos moderados e graves. O tempo de uso do medicamento é o mesmo que o recomendado para os adultos.

O médico deve explicar aos familiares que com o uso do antidepressivo, a criança apresentará remissão de alguns dos sintomas no espaço de 10 a 20 dias e, dependendo do caso, com mais outros 15-20 dias, os sintomas já não estarão mais presentes. O importante, mesmo com a ausência dos sintomas, é manter o tratamento medicamentoso, evitando assim que haja uma recaída, o que pode levar no futuro a um quadro depressivo crônico.

 

Como os pais e professores podem ajudar no tratamento?

Estimular a criança a brincar, participar de atividades recreativas e esportivas para que possa melhorar seu humor e manter contato com outras crianças. Na DI essas atividades não são contra-indicadas, pelo contrário devemos estimulá-las constantemente.

 

Como prevenir a depressão infantil?

A prevenção passa pelo conhecimento da dinâmica familiar. A prevenção ideal para a DI seria orientar os pais para estabelecerem laços mais afetivos com os filhos, estimulando-os em seu desenvolvimento psico-social. Sabemos que é uma meta muito difícil de ser atingida, pois os problemas sociais e econômicos que essa família vivencia são alheios a sua vontade, que somados aos problemas conjugais e a separação dos casais, esses problemas aumentam consideravelmente, acarretando grandes conflitos nos filhos, principalmente, os menores. São, como podemos ver, problemas que geram causas, que na maioria das vezes, os próprios pais são impotentes para solucioná-los.

 

Qual a importância do leigo conhecer melhor a depressão infantil?

É importante o conhecimento do leigo sobre a DI. A partir dessa informação os pais podem ajudar em muito seus filhos quando são conhecedores de algumas informações sobre saúde e doenças das crianças.

A DI muitas vezes passa despercebida em casa. A criança fica isolada, muito quieta e as vezes os pais interpretam como "bom comportamento". A situação agrava-se quando chega a informação da escola que a criança não vem bem em termos de rendimento escolar. A partir deste momento a DI já está instalada e devem os pais imediatamente procurar ajuda profissional para iniciar o processo de intervenção.

Temos notado, por outro lado, que a maioria dos pais não acatam o diagnóstico de depressão em seus filhos. Para isso, os profissionais da saúde em muito contribuem, principalmente pediatras e psicólogos mais desavisados quando dizem aos pais que depressão na criança não existe. É preciso mudar essa idéia. É necessário também alertar a academia para falar das depressões na infância e adolescência, para que não sejam os próprios profissionais a fazerem afirmativas errôneas aos pais.

 

Fonte: Prof. Dr. Genário Alves Barbosa e Dra. Adriana A. G. Barbosa 

 

| Enviar para um amigo | Imprimir | Comentar

 

Comentários

Carla

Estou muito preocupada com minha filha de 8 anos. Está com dificuldades para se relacionar com os novos colegas de escola (trocamos de escola) não quer participar das brincadeiras, sinto que se sente inferior aos colegas e depois das aulas quando chega em casa se isola no quarto e passa as tardes desenhando e brincando sozinha. Agora acho que achei o motivo....

Carla, se você achou o motivo, corra para ajudá-la. Procure a orientação de um psicólogo. Abs

Liliane Neves

Mto bom.Tive depressão na adolescência e hj tendo uma filha,cuido p q ela n passe pelo mesmo transtorno.Naõ abro mão de arrumá-la e levá-la ao colégio.Sou amiga dos seus coleguinhas e participo mto da sua vida.Na infância e adolescência senti falta dos meus pais.

É Muito importante isso Liliane! Mantenha essa proximidade com sua filha. Parabéns pela recuperação.

Pediatria em foco

Atualidades | Comportamento | Doenças comuns | Higiene | MÍDIA | Nutrição | Puericultura | Saúde | Segurança | Vacinas | Curva do crescimento
DICAS | PERGUNTAS FREQUENTES | Cadastre-se

Pediatria em Foco © 2012. Todos os direitos reservados.

 

Clinica Infantil Reibscheid

Clínica Reibscheid | Links | Localização | Fale Conosco

Clínica Infantil Reibscheid © 2012. Todos os direitos reservados.

Telofone:  11 3801-2676

Horário de funcionamento / atendimento: Segunda a sexta, das 10h às 19h

 

Desenvolvido por: Floot Digital